• Blog
  • 3 problemas comuns decorrentes de uma gestão de remuneração inadequada
meeting-blog

3 problemas comuns decorrentes de uma gestão de remuneração inadequada

Leia em 5 min.

Na semana passada você acompanhou aqui em nosso blog o que é e para que serve uma pesquisa de cargos e salários, certo?

Apenas recapitulando, o objetivo principal de uma pesquisa assim é a manutenção do equilíbrio interno e externo:

O equilíbrio interno: alcançado pela avaliação certeira dos cargos, de forma a manter uma hierarquia e tranquilizar os colaboradores quanto à equidade das remunerações.

É sabido que embora o salário não seja a única forma de motivar uma equipe, ser injusto no quesito gera enorme contrariedade e é contra produtivo para a equipe.

O equilíbrio externo: esse acontece através da adequação salarial da organização diante do mercado de trabalho. Também é muito relevante, pois os colaboradores tendem a julgar a equidade do que ganham com as dos ocupantes de cargos iguais ou parecidos em outras organizações.

Para complementar as informações sobre esse tema tão importante da gestão de pessoas, hoje tem post novo no blog sobre o papel de um programa de cargos e salários no contexto.

Cenário brasileiro

Segundo dados do IBGE, o país ainda tem cerca de 13,2 milhões de pessoas em busca de recolocação profissional, sendo que a média salarial de quem está no mercado gira em torno de R$ 1.725, 00. Esse valor, no entanto, depende de variáveis como a escolaridade, região e posto de trabalho oferecido.

Portanto, agora que você relembrou com a gente tudo isso, vamos a 3 problemas comuns nas empresas que não se preocupam com a equiparação salarial:

Problema nº 1

O temido e nocivo turnover

Como profissional da área, certamente você já viu (ou ouviu!) o quão nocivos podem ser os ruídos da famosa “rádio peão”.

É justamente para evitar diferenças salariais ou de benefícios dentro de funções que deveriam ser remuneradas de forma igualitária que a administração de cargos e salários entra em campo.

Quando não há uma política de equiparação bem estabelecida e comunicada com clareza, tais situações geram tamanho desconforto que colaboradores, insatisfeitos, podem até mesmo buscar novas oportunidades, inclusive no seu concorrente!

Dessa forma, há também as perdas financeiras, resultado de rescisões de contratos de trabalho e que normalmente fogem do planejamento anual do RH e toma tempo considerável da equipe com os processos operacionais de demissão e abertura de vaga.

SAIBA TAMBÉM: O que considerar na hora de fazer uma negociação de salário

Problema nº 2

Erros na folha de pagamento

Mesmo que a famigerada Medida da Liberdade Econômica (MP 881) entre em vigor, o eSocial fará parte do dia a dia dos departamentos de RH brasileiros.

Com ou sem MP, a verdade é que não se pode cometer erros nas informações registradas sobre o trabalhador, especialmente quando nos referimos à sua remuneração.

Afinal, sem a gestão cuidadosa na definição de cargos e salários, a empresa pode fazer o recolhimento incorreto de impostos e obrigações trabalhistas e previdenciárias sobre a remuneração de cada um dos colaboradores.

Esse problema pode ganhar proporções ainda maiores se as informações forem variáveis para cada colaborador, processo que pode tomar muito tempo e deixar o RH ainda mais vulnerável a registrar informações incorretas.

Já imaginou os impactos que seu RH pode sofrer se os problemas 1 e 2 acontecerem com frequência na empresa?

Problema nº 3

Processos de contratação pouco eficientes

Há casos em que os processos de recrutamento e seleção geram grande volume de trabalho para a área de RH, uma vez que cada nova vaga em aberto requer energia e tempo para descrever as atividades, decidir em qual faixa salarial ela se enquadra, quais benefícios devem ser concedidos e que posição ela ocupará dentro da equipe, por exemplo.

Por outro lado, empresas que possuem plano de cargos e salários bem implementado e políticas bem estruturadas, em geral, não têm esse retrabalho.

Isso porque existe uma definição clara das atividades a serem desempenhadas por cada cargo, bem como das normas e procedimentos relacionados à gestão da remuneração.

Tais definições otimizam os processos de recrutamento e seleção, já que cada currículo recebido pode ser avaliado de acordo com o perfil desenhado para o cargo.

Para minimizar problemas com a gestão de cargos e salários e implantar de vez a sua própria política, uma boa pedida é realizar a tal pesquisa salarial que falamos no início desse texto!

Com ela, o RH estará atualizado para manter práticas de remuneração coerentes com o porte da empresa e a realidade do mercado, além de aumentar o potencial de retenção de mão-de-obra.

Ficou alguma dúvida? Deixe nos comentários. Nossos especialistas vão ajudar você!


Gostou deste
Conteúdo?

Tem mais:
Receba Infográficos e
ebooks que capacitam e
descomplicam sua
rotina e a de seus
colaboradores.