• Blog
  • 3 atitudes que intoxicam sua liderança e como se livrar delas
Atitudes que intoxicam sua liderança

3 atitudes que intoxicam sua liderança e como se livrar delas

Leia em 5 min.

Não é preciso ter uma grande equipe para saber que o conceito de “ambiente de trabalho perfeito” é muito relativo. Na prática, o que existe mesmo são ambientes com uma cultura adequada e elementos que favorecem o clima agradável para a equipe, o que normalmente se reflete em colaboradores mais felizes e resultados melhores.

Tamanha a importância de um líder nesse contexto, que um artigo do LinkedIn publicado pela revista Quartz garante que, em longo prazo, as atitudes de um chefe despreparado tem efeitos tão nocivos para a saúde de um colaborador quanto fumar passivamente.

E você com certeza não quer ser esse tipo de “chefe ruim que pode adoecer os funcionários”, não é mesmo?

Por isso, vamos ver agora as principais atitudes ou comportamentos que podem, sim, mandar pelo ralo toda a qualidade da sua gestão e o que fazer para passar bem longe deles.

1. Ser pessimista intoxica a liderança

Isso porque energias e atitudes constantemente negativas são extremamente contagiosas.

Uma pessoa pessimista sem cargo de liderança sempre coloca um empecilho no meio do caminho e nunca vislumbra um futuro bom. Tem medo exacerbado e se é incapaz de enxergar algo de bom nas situações, especialmente nas adversas.

A coisa piora quando se trata de um gestor porque o pessimismo pode transmitir a ideia de que é filosofia da empresa. Isso contagia porque gera insegurança na equipe quanto ao futuro, o que novamente leva ao pessimismo, dessa vez, em maior escala.

Vale, portanto, avaliar se seu comportamento está pessimista - se é algo recorrente ou pontual referente a alguma uma situação que você ou a empresa está vivendo - ou se é pessimista em razão de carregar alguma crença limitante, como o complexo de inferioridade.

Para ambos os casos, contar com a ajuda de um coach profissional é algo muito bem-vindo para identificar tais valores e crenças e potencializar mudanças.

2. Não delegar também intoxica o trabalho

Sim, é preciso envolver os colaboradores na tomada de decisões. Porque se você não fizer isso a equipe pode não se sentir valorizada, o que gera descrédito quanto à qualidade do trabalho dela e desconfiança no que se refere ao seu!

Só para você ter uma ideia do quanto centralizar ainda é um paradigma a ser quebrado, em uma pesquisa realizada pela Universidade de Stanford (EUA), 35% dos executivos afirmaram que precisam aprender a delegar tarefas para melhorar — enquanto só 37% declararam que buscam ativamente desenvolver essa habilidade.

Algumas razões são elencadas por eles para essa centralização nociva: paternalismo, medo de perder o controle e falta de confiança nos colaboradores são as mais citadas.

O que você pode fazer para começar a mudar seu comportamento: dê à equipe a chance de participar das decisões, pedindo a opinião dela sobre um projeto, um cliente ou uma situação do cotidiano de vocês.

Também é importante demonstrar empatia para que se sintam confortáveis ao dar feedback sobre as suas atitudes de liderança. Aprenda a aprender com os seus colaboradores e o ambiente ficará menos tóxico.

3. Não incentivar relações de amizade também é tóxico

Uma outra pesquisa realizada no ano passado concluiu que a satisfação do colaborador pode aumentar em até 50% quando ele trabalha próximo de amigos e seu envolvimento com as tarefas diárias fica 7 vezes maior quando há essa relação na equipe.

Por isso, quando você tolhe essas relações com austeridade, apenas cria a ideia de que os liderados o façam por uma espécie de medo, não de respeito.

E a amizade no ambiente de trabalho pode ser muito mais saudável e benéfica para a organização quando acompanhada por profissionalismo.

Falar de outras coisas além do trabalho, durante uma happy hour por exemplo, faz com que todos se aproximem de um jeito mais natural e menos corporativo.

Cabe, porém, a todo bom profissional o bom senso de saber separar as questões pessoais das profissionais para não prejudicar nem a empresa, nem a si mesmo e nem as pessoas ao seu redor.

E enquanto líder, seu papel é justamente equilibrar as questões profissionais com as amizades, potencializando a maturidade por parte dos envolvidos, já que todos estão no mesmo barco, rumo a um objetivo maior: o sucesso do negócio.

Compartilhe este conteúdo com seus amigos e até a próxima!


Gostou deste
Conteúdo?

Tem mais:
Receba Infográficos e
ebooks que capacitam e
descomplicam sua
rotina e a de seus
colaboradores.